quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

6 PONTOS QUE DA PARA BORDAR QUASE TUDO

Seis pontos básicos podem bordar quase tudo




São os pontos básicos para bordado livre – quem domina este pontos pode realmente fazer quase tudo! Mas, fazer os pontos corretamente é só uma parte do trabalho, antes temos que preparar tudo.
Ao final deste primeiro bloco de seis pontos vamos montar um trabalho – por enquanto vou fazer mistério, mas garanto que vai ficar lindo! Para cada ponto teremos um tutorial, cada um deles com um risco do mesmo tamanho e formato. O primeiro ponto a ser trabalhado será o Ponto Atrás.
Só para variar, vou começar a aula passando a tarefa! Estou falando sério, teremos tarefas!
A primeira tarefa a ser feita é selecionar o tecido a ser usado. A amostra que estou bordando está sendo feita em algodão cru não muito grosso e eu já separei todo o tecido a ser usado nas seis peças. Então é só cortar 6 pedaços de tecido no tamanho de uma folha de papel A4.
A tarefa de hoje é transferir o risco para o tecido. O método usado pode ser o 1° ou o 2° que explicarei a seguir.
Todo cuidado é pouco nesta hora, a qualidade do bordado depende muito da transferência do risco: a melhor bordadeira do mundo não consegue fazer pontos bonitos em um risco mal traçado.
O arquivo com o risco a ser transferido para nossa aula pode ser descarregado aqui, clique:  Ponto Atrás Risco1 e Risco2 
 COMO PASSAR RISCOS PARA TECIDO:
Papel Carbono
Transferindo riscos com papel carbono
O método mais simples e mais usado é o de papel carbono. Papel carbono amarelo ou azul, o claro deve ser usado para os tecidos escuros, e papel carbono preto ou azul escuro para os tecidos claros.
Comece copiando o risco para um papel de seda ou papel manteiga ‐ é importante que seja um papel macio e fino. O papel vegetal dificulta muito a segunda etapa do trabalho. 
Copie os riscos para um papel transparente
Coloque o carbono com a face para baixo sobre o tecido, com o desenho por cima. Acompanhe com um lápis de ponta afiada ou com um boleador, todas as linhas do desenho. É necessário tomar cuidado para fazer pressão somente sobre as linhas do desenho, pois do contrário o carbono pode manchar todo o tecido.
Muita atenção: prenda muito bem os papéis no tecido e cuide de posicionar o risco corretamente – coloque o papel de seda sobre o tecido de modo a visualizar a posição correta e prenda um dos lados com alfinetes. O carbono entra por baixo do papel e só depois do desenho ter sido posicionado. 
Dica ótima: um excelente papel carbono para transferir riscos em tecidos claros é aquele que é jogado fora quando são impressos formulários de duas vias em impressoras matriciais – tipo notas fiscais,  holerites. É um carbono sem cera que sai facilmente na lavagem e é o papel carbono que aparece na foto.

Transferência Direta
Como transferir o risco direto no tecido
O desenho pode ser traçado diretamente sobre tecidos finos ou transparentes como organdi, nylon ou seda fina. O desenho deve ser colocado por baixo do tecido e as linhas traçadas com um lápis macio ou canetas próprias para tecido. O uso de caixas de luz pode facilitar bastante este trabalho e possibilitar a transferência de riscos para tecidos um pouco mais grossos que os mencionados acima.
Dica ótima: a tela do computador pode funcionar com uma ótima “mesa de luz” – já risquei um monte de tecidos deste jeito. Essa dica não funciona para notebooks que podem ter a tela danificada pela pressão.

Alinhavo
Caneta para riscar sobre tecidos
Em tecidos muito grossos ou texturizados, é difícil traçar ou pintar um desenho. Neste caso, trace o desenho sobre um papel fino, que deve ser alinhavado na posição correta sobre o tecido. Acompanhe cuidadosamente todas as linhas do desenho com pequenos pontos de alinhavo. O desenho deve ser rasgado e removido antes do bordado ser iniciado. Remova também todos os pontos de alinhavo depois de terminar o bordado.
Dica ótima: funciona vem para trabalhar com riscos no feltro 

Lápis transferidor e Lápis Cópia    
Usando o lápis transferidor e o lápis cópia
É um lápis que deve ser usado para contornar com firmeza e de modo bem uniforme pelo avesso, em papel de seda ou manteiga, todos os riscos do desenho a ser decalcado. Depois disto, o desenho vai ser transferido para o tecido por meio do calor gerado pelo ferro de passar. Coloque o papel com o lado riscado sobre o tecido e passe com ferro quente – cuidado para não tirar o desenho do lugar.
Muita atenção: o risco é transferido à espelho, assim deve estar impresso de modo adequado. Observar que na foto o texto está espelhado! Use nesse caso o Risco2 de nosso molde.
Dica ótima: o lápis cópia pode ser encontrado em papelarias especializadas em materiais fiscais, sendo também usado por tatuadores. É fabricado no Brasil pela Faber Castel. 

Entretela hidrossolúvel
É uma entretela transparente, que se dissolve ao lavar. Trace o risco na entretela usando o método da transferência direta, alinhave a entretela riscada sobre o tecido e borde. Lave depois de pronto para remover.
Muita atenção: só usar em tecidos e materiais que possam ser lavados!
Dica ótima: deve ser usado para bordar em tecidos que precisem de um estabilizador, como as camisetas. 

Transferindo riscos, opções e alternativas
Então a tarefa dessa aula é:
  • escolher o tecido 
  • escolher um desses modos de transferência de riscos
  • preparar o risco dado para começarmos a bordar na próxima aula
Dá tempo para providenciarem todo o material.
Preparem-se, vocês vão adorar o projeto final.





1 comentários:

Postar um comentário